quarta-feira, 23 de março de 2016

Universidade de Caxias do Sul inaugura curso “História do Rock”


Com carga horária de 63 horas (válidas também como atividade complementar para quem já é aluno de graduação), o curso será pautado por temáticas como linguagem musical; drogas e psicodelismo; experimentalismo; rock e música eletrônica; movimentos underground; etc.

— Cada época e gênero têm coisas muito interessantes a serem abordadas. Atualmente, um dos temas mais polêmicos é a relação dos gêneros de metal com ideologias como nazismo, feminismo, crenças, dentre outros. Na época em que vivemos, penso que é não somente interessante, como é também importante abordar esses assuntos — diz a coordenadora da Licenciatura em Música, da Universidade de Caxias do Sul (UCS), Patricia Pereira Porto, sobre um dos módulos: Rock e sua relação com ideologias (fascismo, nazismo, feminismo, satanismo, cristianismo).

A coordenadora aponta que as aulas oferecidas pela UCS não possuem relação alguma com o icônico Curso de Formação de Músicos e Produtores de Rock, formatado na Unisinos pelo expert no assunto Frank Jorge. A principal diferença entre eles é que o curso caxiense não é uma graduação e sim uma extensão, com duração de somente um semestre. Mas há pelo menos uma semelhança: por aqui, a coordenadora também tem histórico roqueiro. Patricia já teve banda só de meninas, já misturou metal com música clássica no projeto Cantos a la Noche e atualmente integra a banda de dark metal M26, como baixista.

— Minha relação com o rock é de infância. Meu irmão e eu crescemos ouvindo Led Zeppelin, Yes, Rush, Deep Purple, dentre outros. No início da adolescência, comecei a tocar contrabaixo elétrico — conta ela.

Conforme Patricia, o curso História do Rock não é dirigido somente a músicos, mas a qualquer interessado em discutir as relações sociais, políticas e existenciais do gênero, além de estar disposto a participar de exercícios de criação musical.

— Seria bom que as pessoas tivessem conhecimento que rock não é um só, que esse “conceito” abrange um universo de gêneros musicais, que consequentemente implicam em uma diversidade de comportamentos sociais, culturais, tendências e estéticas — explica a coordenadora.

Fonte: O Pioneiro